Médicos repudiam terceirização da saúde

Médicos repudiam terceirização da saúde

O Sindicato dos Médicos no Estado do Tocantins (SIMED-TO) vem a público repudiar o anúncio feito pelo governador do Tocantins, Marcelo Miranda, de que a gestão da saúde no Tocantins poderá passar à inciativa privada em 2016. Em entrevista ao Jornal do Tocantins no início do mês, o governador admitiu que estuda terceirizar a gestão da saúde.

Para o SIMED-TO, a fala do chefe do Poder Executivo do Estado apenas reforça que a atual gestão não tem competência sequer para cumprir sua principal promessa de campanha de priorizar a área da saúde em uma gestão autônoma e própria, voltada para solucionar os problemas que vêm se agravando nos hospitais.

A preocupação também se justifica porque a Secretaria da Saúde (Sesau) vem qualificando como Organização Social (o primeiro passo para a terceirização) empresas privadas para atuação no Tocantins, a exemplo do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e o Grupo de Apoio a Medicina Preventiva e à Saúde Pública (GAMP).

Caso se concretize mais esta medida arbitrária da gestão, que vai na contramão do que a classe médica defende – fortalecimento do Sistema SUS, concurso público, fornecimento regular de insumos, medicamentos e equipamentos, além da ampliação e regionalização dos serviços-, o Governo confirma que não aprendeu com os erros passados: a reincidência de contratar serviços oftalmológicos privados, as malfadadas terceirizações já efetivadas e suspensas no Tocantins, incluindo os casos com resultados fracassados já na atual gestão (oncologia em Araguaína e UTI neonatal em Palmas).

Invés de terceirizar, é urgente que o governo estadual mude a gestão da saúde; se programe para realizar um concurso para empossar médicos e demais servidores pondo fim à demanda dos Recursos Humanos; retome a Mesa de Negociação do SUS, inexplicavelmente extinta em 2015, coloque para funcionar um sistema que permita gerenciar por completo a oferta do serviço, da carga horária do servidor à distribuição dos medicamentos na rede como um todo e que trabalhe efetivamente para implantar e implementar as Redes de Atenção à Saúde (RAS) por meio da organização e regionalização de ações e serviços que ofereçam cuidado integral a cada paciente do SUS.

Além destas medidas, sem respeitar e honrar as leis estaduais que garantem as progressões funcionais e o pagamento de direitos aos servidores da saúde será ainda mais difícil gerenciar e avançar nesta área na qual não adianta gabar-se de gastar muito e continuar gastando mal.

Diante do exposto, a classe médica se posiciona contrária a mais este atentado à gestão das políticas públicas de saúde no Tocantins e está disposta a lutar, como o fez nas tentativas anteriores, inclusive acionando a Justiça quando necessário, para que o Estado cumpra seu dever constitucional de garantir o direito à saúde à população que procura os hospitais públicos do Tocantins.

348 Total de acessos 1 Acessos hoje

Compartilhe

Deixe um comentário

Your email address will not be published.


Warning: get_headers(): http:// wrapper is disabled in the server configuration by allow_url_fopen=0 in /var/www/html/simedto.org.br/web/wp-content/themes/porto/includes/init.php on line 97

Warning: get_headers(): This function may only be used against URLs in /var/www/html/simedto.org.br/web/wp-content/themes/porto/includes/init.php on line 97